Portuguese English Spanish

A vida só tem sentido quando serve de preparação para vidas melhores.

A moral não é produto do meio social, mas da consciência.

Toda a beleza espiritual do passe espírita provém da fé racional no poder espiritual.

O materialista não é livre, pois está preso à ideia fixa de que tudo é matéria.

A Educação Espírita visa o desenvolvimento pleno do indivíduo, considerando-o um ser imortal e cósmico.

Mediunidade é a faculdade humana, natural, pela qual se estabelecem as relações entre homens e espíritos.


 

heculano microfone

J.Herculano Pires foi comunicado que Roberto Montoro, proprietário da Rádio Mulher, pretendia colocar na programação da emissora um programa espírita semanal, com a duração de uma hora. E mais: desejava fosse o programa estruturado e apresentado por ele.  O apóstolo de Kardec aceitou o convite, pois lhe fora assegurado que teria a mais ampla liberdade, “podendo tratar do espiritismo em todos os seus aspectos, sem restrição, e responder a qualquer pergunta” dos ouvintes.

No Limiar do Amanhã ia ao ar aos sábados à noite e obteve sucesso imediato em São Paulo. A Rádio Mulher passou a reprisá-lo aos domingos, pela manhã. A Rádio Morada do Sol, de Araraquara e a Rádio Difusora Platinense, de Santo Antônio da Platina, no Paraná, retransmitiram-no, também, com expressiva audiência. O vigoroso programa prestou inestimável serviço à doutrina espírita durante três anos e meio. Herculano Pires, obviamente, jamais aceitou da Rádio Mulher qualquer espécie de remuneração.

Nesta seção do site, você vai poder ouvir os áudios originais dos programas, e também ler o texto  integral da transcrição.

 AGRADECIMENTOS

A Fundação Maria Virgínia e J. Herculano Pires agradece a todos os que colaboraram com a criação do acervo desta seção, doando gravações dos programas, em especial a Aldrovando Góes Ribeiro, Maria de Lourdes Anhaia Ferraz e Miguel Grisólia.

No Limiar do Amanhã, um programa desafio.

Somos lançados na existência para enfrentar os desafios do mundo. Não estamos na Terra para veranear ou para sofrer. Aqui estamos para evoluir, nossa tarefa é uma só, embora se divida em várias formas de atividades. Não nos deixemos iludir pelas incumbências passageiras do mundo. Tratemos de melhorarmos, de cortar as nossas arestas.
 
Não queira, amigo ouvinte, dar um salto no futuro. Os que saltam podem cair e quebrar a perna. O futuro está diante de nós a todo instante. Acabamos de falar isto e já entramos no futuro. É passo a passo que penetramos nele. Não se afobe, evolução espiritual não é salto, nem correria.
 
O que pensa você, que está sorrindo com superioridade? Pensa que somos uns místicos, uns lunáticos, uns sonhadores? Mas qual é a sua concepção da vida? Nenhuma? Então você vive como os animais, sem consciência do que faz ou deve fazer na vida? Isso é o que você considera ou chama, ser para frente? Onde está a frente? Na retaguarda? Na volta à animalidade?
 
De onde surgimos nós, amigos ouvintes? Do nada? Do acaso? Do vácuo? Existe o acaso na Natureza? Então não somos capazes de ver que tudo no mundo obedece a uma ordem em geral, governada por leis naturais? Tudo nos indica que somos criaturas em desenvolvimento. Nossa mente se abre para novas dimensões dos novos tempos. Avançamos amigos, não estamos parados no tempo, nem no espaço. Nada está parado em todo o Universo.
 
A vida é um impulso de ascensão. Se não obedecermos a esse impulso ficaremos encravados na nossa ignorância e em nossas misérias. Temos de avançar para o alto, libertando nossa mente do apego às coisas materiais. Temos de evoluir como espíritos, pois somos espíritos e a nossa herança única e verdadeira está no mundo espiritual.
 
No Limiar do Amanhã, um desafio no espaço. Produção do Grupo Espírita Emmanuel, transmissão número 161, quarto ano. Locutora: Jurema Iara. Sonoplastia: Antonio Brandão. Técnica de som: Paulo Portela. Direção e participação do professor Herculano Pires. Gravação nos estúdios da Rádio Mulher, São Paulo.
 
Diálogo No Limiar do Amanhã, uma busca da verdade.

 
Pergunta 1: As comunicações espíritas não seriam apenas fabulações do inconsciente dos supostos médiuns?
 
Locutor - Pilatos perguntou a Cristo. O que é a verdade? O Senhor não respondeu. Foi como se dissesse, a verdade sou eu.
 
Pergunta o ouvinte Isidoro Marques Neto, da Rua São Luiz. As comunicações espíritas não são apenas fabulações do inconsciente dos supostos médiuns? Como provar que não são?
 
JHP - Antes de responder esta pergunta do nosso ouvinte, eu queria lembrar apenas o seguinte. Essa quadrinha que foi lida pela Jurema Iara, sobre a verdade, pertence ao poeta Cleómenes Campos. Cleómenes Campos foi um grande poeta que veio do Norte, que morou aqui em São Paulo, aqui viveu e aqui morreu. E deixou uma obra lírica bastante importante, feita assim com este espírito de simplicidade que vimos nesta quadra, sobre a pergunta de Pilatos a Jesus, e a falta de resposta que Jesus lhe deu.
 
Passemos portanto a responder agora à pergunta do nosso ouvinte, sobre a possibilidade de serem as comunicações espíritas apenas fabulações do inconsciente dos supostos médiuns. Como se vê, o nosso ouvinte coloca o problema de uma maneira bem cética, classificando os médiuns de “supostos intermediários” entre os espíritas. Mas na verdade, o que acontece nas comunicações espíritas, não tem o caráter de uma fabulação pura e simples. Geralmente através destas comunicações os espíritos nos comunicam o seu estado, a sua situação no mundo espiritual após a morte. E referem ao mesmo tempo vários fatos relacionados com sua vida aqui na Terra. Então, nós temos a possibilidade de identificação do espírito. Inclusive, porque o espírito se comunica com as suas próprias modalidades de expressão. De acordo com a sensibilidade mediúnica, há médiuns que conseguem mesmo nos dar a impressão plena da presença daquela criatura já falecida, porque o médium repete os gestos, as expressões fisionômicas. Chega a um processo de transfiguração facial que nos mostra que realmente estamos na presença daquele espírito, que ali veio para se comunicar. Muita gente diz que isto pode ser uma sugestão. Mas acontece que, muitas vezes, o médium nem sequer conheceu o espírito que ali está se comunicando. Nas minhas experiências mediúnicas, eu tenho uma quantidade enorme de casos desta natureza.
 
Ainda recentemente, servindo de uma médium, na presença de um meu amigo, que estava em dúvida quanto a legitimidade das comunicações mediúnicas, a médium que havia recebido em sessão anterior a mãe desse meu amigo começou a sentir a presença de um outro espírito que o chamava de “filho”. E a médium disse a esse meu amigo: "É curioso, está aqui um espírito que procura me envolver. Ele se manifesta sem dizer que é sua mãe, mas o chama de filho e está chamando em italiano. Eu não entendo. Seria uma sua parente próxima?". Então eu disse à médium: “Não se preocupe com isto, mantenha o seu pensamento tranquilo para que o espírito possa envolvê-la e se manifestar. É na manifestação do espírito que nós vamos saber o que se passa”. Ela me obedeceu e o espírito que se manifestou veio com uma gesticulação incomum. Uma gesticulação que caracterizava bem a pessoa que vivera na Terra, manifestando aquele espírito. Mas que eu não conhecia, que só o meu amigo conhecia. A gesticulação deste espírito era diferente da gesticulação comum que nós temos. Ela falava, por exemplo, pondo as mãos como em sentido de prece mas, ao mesmo tempo, impulsionando as mãos, como se estivesse jogando alguma coisa para frente.
 
Ora, era portanto um tipo curioso de manifestação. A sua expressão fisionômica mudou-se por completo. O seu tom de voz também era outro, muito diferente. E então o meu amigo me disse: "Curioso, curiosíssimo. Não é minha mãe, é minha avó. E esta avó era tão ligada a mim que, tendo morrido há apenas três anos, ela até este momento, ela ainda dormia no quarto em que eu dormia, junto comigo, porque queria cuidar de mim como se eu fosse ainda uma criança. Bastante ligada a mim e não tenho dúvida nenhuma de que é ela que está presente". De onde viria esta fabulação? Existem as hipóteses absurdas que dizem assim, a fabulação nasceu do inconsciente do seu amigo e transmitiu-se para o médium. As pesquisas, tanto no campo da metapsíquica quanto da ciência psíquica inglesa e no campo da ciência espírita, nunca demonstraram a possibilidade desta transferência de uma fabulação neste sentido. As pesquisas atuais da parapsicologia também não provaram isso. Pelo contrário, os maiores parapsicólogos do mundo, como o professor Rhine, o professor Soal, o professor Carrington, e vários outros, como o professor Price e outros, todos eles chegaram à comprovação de que realmente há entidades espirituais que se manifestam através dos médiuns. Consequentemente, o problema da fabulação inconsciente, já há muito tempo, que foi posto de lado nas investigações psíquicas, uma vez que o problema da comunicação mediúnica se tornou evidente e inegável.

 
Pergunta 2: O transe mediúnico não seria um tipo de transe hipnótico?
 
Locutor
- Professor, o transe mediúnico não é apenas uma modalidade do transe hipnótico? Quais as provas que podem ser apresentadas em contrário?
 
JHP - O transe mediúnico, como o transe hipnótico, tem praticamente a mesma semelhança, do ponto de vista fisiológico. As reações orgânicas que determinam o transe naturalmente correspondem, tanto no transe mediúnico como no transe hipnótico. É preciso lembrar também que temos o transe sonambúlico e que, também neste transe, as manifestações fisiológicas são semelhantes. Um grande fisiologista francês que foi o Dr. Gustavo Geley. Grande fisiologista e presidente do Instituto Metapsíquico de Paris. Ele estudou exaustivamente este assunto e chegou à conclusão de que embora haja a semelhança natural do transe, entretanto, existem características próprias para cada uma dessas formas de transe. No transe mediúnico, nós não temos a provocação sugestiva do hipnotizador. Nós não temos a sujeição do médium ao hipnotizador que o dirige, que o controla, que lhe dá sugestões para as várias coisas que ele deve sentir ou que ele deve falar. Nós temos pelo contrário, uma espontaneidade que surge do próprio médium ao entregar-se ao transe e temos a manifestação de uma entidade espiritual que domina o médium e que é capaz, inclusive, de se identificar, como nós vimos no caso que anteriormente eu contei, que eu relatei aqui. [Ver a Pergunta 1 deste mesmo programa.]
 
Então, no transe mediúnico, o que caracteriza a sua manifestação é, primeiramente, a espontaneidade. Poderia falar-se em auto-hipnose. Mas acontece que o transe mediúnico tem também as suas várias características. Ele pode ser inconsciente, consciente ou semiconsciente. E ele é sempre precedido de manifestações que anunciam a sua ocorrência. Manifestações que dizem respeito ao aparecimento de entidades espirituais. Estas entidades não são percebidas apenas pelo médium, mas também pelas pessoas circunstantes. E estas entidades podem ser vistas pelos médiuns videntes. Há portanto todo um contexto de verificação da comunicação mediúnica que precisa ser levado em consideração, quando queremos tratar deste assunto. E há, posteriormente, as numerosas provas que as entidades manifestantes dão, da sua identidade, de maneira muitas vezes indiscutível. Assim, não podemos confundir o transe puramente hipnótico com o transe mediúnico, que é muito mais complexo que o hipnótico, e que tem consequências muito mais amplas.
 
Pergunta 3: A "superstição espírita"
 
Locutor
- Professor, pergunta o ouvinte Luís Valange, da Rua Espírita, no Cambuci. Primeiro. Vejo pelo seu programa que o senhor é um homem culto. Como pode o senhor aceitar a superstição espírita? Em que se apoia para isso?
 
JHP - Certamente me apoio em investigações, em estudos, em pesquisas que vêm sendo realizadas, há mais de um século. Que começaram naturalmente com as pesquisas de Allan Kardec na Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas. Por sinal, eu queria lhe dizer que Allan Kardec era um homem bem mais culto e mais inteligente do que eu. Ora, se ele fez essas pesquisas e ele comprovou a realidade das manifestações espíritas, não vejo motivo para que eu, muito inferior a ele, também não as possa aceitar. Mas além disso, é preciso o senhor se lembrar de que grandes cientistas do mundo inteiro. Por exemplo, o professor Friedrich Zöllner, da Universidade de Leipzig, na Alemanha. Um dos homens mais cultos dos fins do século passado e um cientista de elevada competência, dedicou-se à investigação dos fenômenos espíritas com intensidade e deixou-nos um livro fabuloso que está hoje publicado no Brasil, com o título de Provas Científicas da Sobrevivência [Ed. Edicel]. Neste livro, o senhor encontrará alguns dos elementos que lhe esclarecerão o motivo da minha aceitação do Espiritismo. Mas é preciso lembrar que existiram outras pesquisas de outros grandes filósofos e cientistas no mundo inteiro. E se falo de filósofos, é porque houve realmente muitos filósofos empenhados também nas pesquisas espíritas, do ponto de vista científico. Muitos filósofos que se ombrearam com os cientistas nestas pesquisas. Mas além disso é preciso lembrar todo o acervo de pesquisas da ciência psíquica inglesa com William Crookes, com Oliver Lodge, com tantos pesquisadores eminentes, que se destacaram no campo das ciências naturais e das ciências físicas.
 
É preciso lembrar também o acervo imenso da metapsíquica. E o senhor devia saber que a metapsíquica foi uma ciência fundada pelo maior fisiologista de fins do século passado e início deste século, que foi o professor Charles Richet. Prêmio Nobel de fisiologia em 1913, diretor da Faculdade de Medicina de Paris. Um dos homens mais eminentes da ciência médica e das ciências afins a medicina, nos fins do século passado e início deste século. Basta dizer que o professor Richet só veio a falecer em 1935. Portanto é um homem nosso contemporâneo. E o que este homem deixou no seu Tratado de Metapsíquica [Ed. Lake] e, em várias outras obras que escreveu, além do tratado, é alguma coisa que merece respeito das pessoas que sabem o que é uma vida de cientista e o que é a dedicação de um cientista num determinado campo de investigações. Mas além disso, se o senhor não quiser aceitar todas essas coisas, considerando que essas pesquisas pertencem ao passado, embora seja um passado bastante recente, o senhor poderá encontrar agora mesmo, nas pesquisas parapsicológicas, a renovação dessas investigações, chegando sempre às mesmas conclusões. Ora, o senhor parte, portanto, de um pressuposto errôneo, de um preconceito. O preconceito contra o Espiritismo. Na hora em que o senhor quiser pôr esse preconceito de lado e estudar o assunto a sério, o senhor verá quanto tempo perdeu, divagando com coisas inúteis quando nós estamos diante de uma realidade palpável e maravilhosa que o espiritismo nos oferece.
 
Pergunta 4: Pode uma religião ser racional?

Locutor
- A segunda pergunta do ouvinte Luís Valange. Professor, considero o espiritismo uma tentativa ingênua de racionalizar a religião. As religiões não são racionais, são idealizações emocionais para ajudarem o homem a suportar a vida. O que o senhor me responderia a isso?
 
JHP - Respondo que continua em vigor o seu preconceito. O senhor está olhando com preconceito, o problema religioso. Quem lhe disse que se chegou realmente à conclusão, do ponto de vista científico e filosófico, de que a religião seja isto? Apenas um problema emocional. Não. O senhor se engana a respeito. O senhor conhece por exemplo a posição pragmática de William James, nos Estados Unidos, no tocante às religiões? O senhor sabe que ele encarou as religiões do ponto de vista racional e prático? E chegou à conclusão de que a religião tem uma finalidade prática muito importante na vida humana? Essa finalidade que o senhor reconhece, mas encarando-a do ponto de vista apenas preconceituoso. O senhor sabe que Augusto Comte, o grande filósofo do positivismo, que fez a sua filosofia baseada inteiramente nos dados objetivos da ciência, acabou criando aquilo que ele chamou a “religião da humanidade”? Sabe que, no Rio de Janeiro, ainda existe um templo positivista onde o senhor pode assistir cerimônias religiosas? E para Augusto Comte, que negava a existência da metafísica, que queria tudo baseado nas experiências concretas da ciência positiva, para Augusto Comte a religião não buscava um Deus imaterial, abstrato, mas sim aquilo que ele chamava a Deusa da Humanidade, a deusa que era a própria humanidade. Era o culto da humanidade. Assim, a religião não tem apenas um sentido emocional, mas é também uma busca da verdade. A religião faz parte do campo do conhecimento.
 
No Espiritismo, nós consideramos que o conhecimento humano, no sentido geral, se divide em três campos principais. Três grandes províncias por assim dizer, que são a ciência, a filosofia e a religião. As ligações entre estes campos do conhecimento são ligações praticamente genéticas. Por quê? Porque a ciência nasce da experiência do homem no contato com a natureza. Na sua procura de conhecer a realidade das coisas, de descobrir as leis que governam as coisas, para poder se servir delas, para poder utilizar-se delas. Então nasce a ciência dessa pesquisa espontânea do homem, no seu contato com a natureza. Mas as ciências trazem ao homem os dados sobre a realidade. Estes dados vão levá-lo a formular um conceito da natureza, a criar uma concepção do mundo, da vida. E esta concepção do mundo é a filosofia. Então, a ciência nasce da experiência humana na Terra. A filosofia nasce das conquistas da ciência. E estas conquistas da ciência que se projetam na concepção do mundo, formada pela filosofia, determinam que o homem tenha um comportamento adequado àquilo que ele considera ser o mundo. Nasce então a moral. Mas a moral mostrando-nos que o homem não é um ser efêmero como nos parece pela sua aparência material, mas sim um ser que sobrevive após a morte, nos leva naturalmente à religião. A religião é então a busca da verdade da mesma forma que a ciência e da mesma forma que a filosofia. Cada uma destas estruturas do conhecimento, cada uma no seu campo, todas elas exercem em conjunto a mesma função que é a da busca da verdade. O senhor se engana portanto ao considerar a religião como apenas um campo da emoção. O senhor fala disso por causa da fé. É preciso lembrar que Kardec fez a crítica da fé e chegou à conclusão de que a fé verdadeira é aquela que se ilumina à luz da razão.
 
Pergunta 5: Escala dos mundos
Locutor
- Pergunta o ouvinte Manuel de Freitas Giron, da Rua Vergueiro. Primeiro. Ouvi falar que no espiritismo existe uma escala dos mundos. Isso é verdade? Como é essa escala?
 
JHP - Existe realmente uma escala dos mundos, mas não no sentido absoluto, não como um sistema rígido. Kardec, como sabemos, era um homem de ciência e ele sabia tratar destes problemas com a flexibilidade necessária para não transformar certas afirmações ou certas tentativas de esclarecer as coisas em formas dogmáticas. Ele evitava sempre a forma dogmática. Então Kardec, examinando o problema da pluralidade dos mundos no Universo e considerando que logicamente esta pluralidade deve corresponder também à expansão da humanidade, que não pertence apenas à Terra, mas a todos os mundos do espaço. Kardec procurou estabelecer uma ideia, como ele diz, uma sugestão referente às diferentes espécies de mundo que existem. E criou a “escala dos mundos” da seguinte maneira:
Existem mundos primitivos, mundos em estado de formação. Isto nos vem da própria sugestão da história da Terra. Quando examinamos a Terra no seu desenvolvimento, nós vemos que ela já foi um mundo em que não havia existência humana, não havia o homem. E ela já foi um mundo em que não havia nem sequer animais. Ela já foi um mundo em que não havia vida de espécie alguma. Depois surgiu a vida. E a vida veio se desenvolvendo do reino mineral para o vegetal, do vegetal para o animal até atingir o reino hominal, o reino do homem. Ora, sendo assim a própria Terra nos oferece uma ideia bem positiva, bem clara do que são as várias formas de mundo.
 
Os mundos primitivos são aqueles que estão ainda em desenvolvimento, em que a vida começa surgir e se desenvolve. Mas acima deles, existem os mundos como a Terra, em que a vida já se desenvolveu, em que o homem apareceu e em que desenvolveu também a civilização. Então este mundo é considerado. no Espiritismo, um mundo de provas e expiações, porque o homem está sendo provado pelas dificuldades terrenas e está passando pelas expiações das atrocidades que no uso do seu livre-arbítrio ele cometeu em vidas anteriores. Mas acima deste mundo, existe um mundo de regeneração em que a humanidade se liberta das expiações e passa enfrentar apenas as provas evolutivas, porque ela já adquiriu um grau evolutivo que lhe permite libertar-se daquilo que popularmente se chama o “pagamento das dívidas do passado”. Mas acima dos mundos de regeneração, nós temos os mundos felizes que são mundos onde a humanidade, já regenerada, está em condições morais que lhe permitem viver uma vida divina, uma vida que nós podíamos chamar de realmente semelhante a vida dos deuses. Os homens atingem nesses mundos que são de natureza etérea, constituídos de matéria muito mais rarefeita do que a matéria densa do nosso planeta, os homens vivem ali uma vida paradisíaca. E acima destes mundos ainda o Espiritismo considera a existência dos mundos celestes ou divinos, que são mundos habitados pelos espíritos puros. Assim temos uma escala dos mundos que nos mostra a variedade de formas de mundos habitados pela humanidade, que não é terrena, mas que é cósmica. A humanidade é cósmica, existe no cosmos. Esta é a posição do Espiritismo a respeito deste assunto. E como o senhor naturalmente já percebeu pelas muitas manifestações científicas que têm surgido, inclusive no noticiário dos jornais, do rádio, da televisão, a respeito de pesquisas no mundo inteiro sobre isto. Esta concepção espírita está de pleno acordo com a era cósmica que nós estamos vivendo.
 
Pergunta 6: A ideia dos mundos habitados foi dada a Kardec por  Flammarion?
 
Locutor
- Continuando a responder para o ouvinte Manuel de Freitas Giron, da Rua Vergueiro. Professor, Flammarion foi espírita. Disseram-me mesmo que foi médium, do que duvido. Foi ele que deu a Kardec a ideia de que existem outros mundos habitados?
 
JHP - Não, não foi Flammarion quem deu essa ideia. Foram os espíritos nas suas comunicações com Kardec que explicaram a existência dos mundos habitados no Universo. O senhor duvida que Flammarion foi médium de Kardec. Por que o senhor duvida disso? É tão conhecido o problema de Flammarion nas suas relações com o Espiritismo. Flammarion realmente aceitou a teoria da pluralidade dos mundos habitados e escreveu um livro sobre isso. Flammarion trabalhava com Kardec na Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas como médium psicógrafo. Posso mesmo lhe adiantar que todo um capítulo da Gênese, livro de Kardec, o capítulo intitulado Uranografia Geral, foi um capítulo recebido psicograficamente por Flammarion, na Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, servindo de médium a Allan Kardec. Ora, neste capítulo, Flammarion recebeu informações do espírito de Galileu sobre a pluralidade dos mundos habitados. Ao contrário, portanto, do que o senhor pensa, não foi Flammarion que sugeriu ao Espiritismo a ideia dos mundos habitados, mas foi o Espiritismo que acordou Flammarion para essa compreensão.
 
Pergunta 7: Como o Espiritismo explica que existam a Lua e outros planetas que não são habitados?
 
Locutor
- Terceira pergunta. Como o Espiritismo explicaria a existência de mundos sem vida alguma, como a Lua e, provavelmente, Marte?
 
JHP - O senhor agora me lembrou uma deficiência que eu cometi a expor o problema da escala dos mundos no Espiritismo, ou escala espírita dos mundos. Realmente, há nesta escala um outro tipo de mundo que eu não citei porque está incluída na própria fase dos mundos primitivos. É o de mundos transitórios. Os mundos transitórios, segundo os espíritos disseram a Kardec, são mundos completamente áridos, muitos deles sem mesmo ter atmosfera como acontece com a Lua. Mas alguns deles já possuem atmosfera. São aqueles em que a vegetação se desenvolveu. Em que houve a possibilidade, em virtude da existência de água nas suas entranhas, do desenvolvimento da vegetação, o que foi originando também a possibilidade da atmosfera que os envolve. Ora, esses mundos transitórios são considerados assim porque eles não têm habitabilidade permanente, não têm condições de habitabilidade. E justamente por isso, não têm também habitantes permanentes. Ninguém pode, por exemplo, viver permanentemente na Lua, a não ser de maneira artificial, servindo-se de recursos levados da terra, porque a Lua não tem atmosfera. Entretanto, nos mundos transitórios, os espíritos se acomodam por assim dizer, nos seus trabalhos que realizam no cosmos. O senhor vai dizer que isto é por certo um caso de imaginação, lembrar-se-á da mitologia e coisas semelhantes. Mas a verdade é que os espíritos somos nós mesmos. É preciso lembrar sempre de espíritos, não como fantasmas, não como criaturas abstratas, imaginárias. Mas como as criaturas humanas desprovidas do corpo material, nada mais do que isso. Nós não somos animais. Nós temos um corpo animal como instrumento de nossa manifestação na vida terrena. Nós somos provenientes do reino animal na nossa evolução. Mas justamente por termos atingido um plano superior em que se manifesta a consciência, nós superamos a animalidade. E a nossa essência é espiritual, não é material. Consequentemente temos de lembrar dos espíritos como seres humanos. Eles são seres humanos dotados de todas as capacidades que nós possuímos aqui na Terra e estas capacidades ampliadas, em virtude deles estarem revestidos de um corpo mais leve que o corpo material nosso, que é o perispírito. O senhor teria naturalmente a possibilidade de dizer que tudo isto é imaginação. Mas se eu lembrar ao senhor que as pesquisas científicas, neste caso, demonstraram a existência real do perispírito, ou corpo espiritual do homem, o senhor ainda poderá objetar-me, como costumam fazer os céticos. Objetar-me que essas pesquisas nunca chegaram a comprovações decisivas. Na verdade, chegaram. Chegaram sim, senhor. Se o senhor ler os trabalhos científicos a respeito, o senhor verá que chegaram a conclusões decisivas. Mas foram rejeitadas pela maioria dos cientistas que não se importaram de pesquisar neste campo. Porque a verdade nua e crua é esta. Toda vez que um grande cientista, como aconteceu com William Crookes... Vamos dar um exemplo concreto: William Crookes. Por que que Crookes foi pesquisar os fenômenos espíritas? Por que ele era espírita? Não. Porque ele não acreditava. Depois da investigação da Sociedade Dialética de Londres, que quis acabar com o Espiritismo (e acabou na verdade se dividindo em duas partes, uma a favor do Espiritismo e outra contrária), depois desse fracasso na tentativa de acabar com o Espiritismo, William Crookes foi chamado à liça. Ele era um nome de grande prestígio, um homem de grande capacidade científica no campo da investigação principalmente. E então chamaram ele para vir fazer aquilo que a Sociedade Dialética não havia podido fazer. É bem conhecido o episódio de Crookes. Ele retirou apenas alguns meses do seu trabalho. Pretendia trabalhar uns três meses na pesquisa espírita, afastando-se portanto do campo das suas pesquisas habituais, do seu trabalho costumeiro. Interromperia o seu trabalho para dedicar-se durante três meses a pesquisa espírita e mostrar que tudo aquilo não passava de imaginação e de fabulação.

Pois bem, Crookes ficou mais de três anos na pesquisa espírita e provou a existência de todos os fenômenos espíritas. Então o que fizeram aqueles mesmos que haviam solicitado a sua presença nesse campo? Disseram que Crookes havia perdido a razão. Crookes, quando afirmava a existência dos espíritos, já não era o mesmo Crookes que havia provado a existência da matéria radiante. As conquistas científicas de Crookes antes do seu trabalho espírita eram válidas, mas as conquistas de Crookes no campo da investigação espírita não deviam ser válidas. Veja o senhor o poder do preconceito, da falta de arejamento espiritual para enfrentar os problemas.
 
Ainda recentemente um grande cientista inglês... Não, perdão, francês, afirmou através de um trabalho muito bem feito sobre a posição dos cientistas no mundo atual em face dos problemas parapsicológicos. Ele afirmou que existe na ciência uma lei de conservação da estrutura científica que ele designou como lei de alergia ao futuro. Ora, esta lei de alergia ao futuro sempre funcionou na ciência. Quando Crookes saiu do campo do presente imediato e investigou a realidade dos fenômenos espíritas que nos projetava no futuro, os seus próprios colegas se voltaram contra ele. É bastante conhecido o caso de Richet. Richet depois das suas pesquisas em Argel, provando as manifestações de um espírito materializado que ele examinou como fisiologista, em todas as minúcias da sua manifestação e comprovou e afirmou a realidade da materialização. Ele foi acusado pelos seus próprios colegas de haver cometido um grave erro, de ter sido ludibriado por um cocheiro do general Noel em cuja casa foram feitas as experiências. Acontece que esse cocheiro havia sido despedido pelo general Noel porque era ladrão e porque era bêbado. Então Richet perguntou aos seus colegas na França: "vocês preferem ficar com as afirmações de um cocheiro bêbado e ladrão, ou com as minhas afirmações?"
Como o senhor vê o problema é muito sério, muito grave, e nós precisamos compreender que temos de deixar de lado os preconceitos e encarar a verdade, examinar as pesquisas científicas em si e verificar a constância com que essas pesquisas no mundo, desde o tempo de Kardec até hoje, estão sempre terminando, concluindo pela existência real dos fenômenos. Então a realidade se impõe, se impõe através da pesquisa científica e não pode ser absolutamente negada com essa simplicidade, essa facilidade com que se pretende fazer a negação.
 
Pergunta 8: Como o espiritismo explica o nascimento de xifópagos?
 
Locutor
- Professor, a ouvinte Ambrosina Vaz Fagundes, da Rua da Moóca, pergunta. Primeiro. Como se explica, segundo o Espiritismo, as xifópagas da Bahia que morreram recentemente?
 
JHP - O caso do aparecimento do nascimento de xifópagos implica naturalmente duas ordens de coisas. Uma dessas ordens está na própria natureza material orgânica. Nós sabemos que há não somente xifópagas no mundo humano mas também no meio animal. Existem os numerosos casos teratológicos em que nós vemos manifestações de fenômenos curiosos no nascimento de animais e no nascimento humano. Mas no Espiritismo, nós consideramos da seguinte maneira. No campo puramente animal como no campo vegetal, as manifestações de fenômenos espantosos decorrem de acidentes da própria natureza material. Mas estes fenômenos também ocorrem no campo humano, porque o homem, no seu corpo material, pertence a natureza neste sentido material. Está sujeito, portanto, a passar pelas mesmas deficiências que se manifestam nas plantas e nos animais.
 
Entretanto, como o homem é uma entidade consciente, existe no plano humano uma conjugação entre o espiritual e o material. O caso, por exemplo, de xifópagas assim, é considerado como um caso de união de espíritos que foram estreitamente ligados em vidas anteriores e que continuaram no espaço numa ligação demasiado estreita. Muitas vezes, é mesmo um caso de ligação não afetiva, não amorosa, mas pelo contrário, de ligação provocada por inimizades e tentativas de vinganças em vidas passadas. Os espíritos se fundem, se misturam por assim dizer, no plano espiritual, por atração tanto positiva, como negativa. E às vezes nascem assim, em corpos fundidos, misturados porque, na realidade, os seus espíritos já estavam assim no plano espiritual. Então, ao virem para a Terra, estes espíritos são projetados em corpos que correspondem a sua situação espiritual. E a natureza material, conjugada com a natureza espiritual nos dá a manifestação destas criaturas em estado que nos parece bastante negativo, mas que, na verdade, têm um sentido dentro do processo evolutivo dos espíritos. Espíritos que se ligaram, que se fundiram através do ódio, acabam um se sentindo dependente do outro e, nesta dependência mútua, o ódio passa a ser substituído pela afeição, pelo amor.
 
As perguntas a esse programa devem ser enviadas por escrito à Rádio Mulher, Rua Granja Julieta, 205, São Paulo, de preferência escritas à máquina ou com letra bem redonda, bem legível. As respostas podem sair no programa seguinte ou nos programas posteriores. Não faça relatórios, faça perguntas, apenas perguntas.
 
***
 
O Evangelho de Jesus em Espírito e Verdade.

A letra mata, só o espírito vivifica, ensinou o apóstolo Paulo. 
 
Abrindo o Evangelho ao acaso, encontramos o seguinte: Lucas, 12:1-3:
 
“Entretanto tendo-se ajuntado milhares de pessoas, de modo que uns a outros se atropelavam, começou Jesus a dizer primeiro a seus discípulos: guardai-vos do fermento dos fariseus que é a hipocrisia. Nada há encoberto que se não venha a descobrir, nem oculto que se não venha a saber. Por isso o que dissestes nas trevas à luz será ouvido, o que falastes ao ouvido no interior da casa, será proclamado dos eirados.”
 
JHP - Nós vemos, nesta passagem do Evangelho de Lucas, a colocação de um problema tipicamente espírita que é o seguinte. É o problema da sucessão das vidas. Jesus advertia os fariseus, ou melhor, advertia neste momento os seus discípulos, contra aquilo que ele chamou “o fermento dos fariseus”, o fermento da hipocrisia. Ora, este fermento dos fariseus para sermos justos devemos dizer que é o fermento humano, existe em toda humanidade. A hipocrisia nos faz mostrar um semblante alegre, sorridente para os outros, e por traz “cortar-lhes a casaca” como se costuma dizer. Então Jesus mostra que aquilo que se diz ao ouvido ou que se diz dentro de casa, fechado num ambiente familiar, escondido dos outros, afinal será proclamado até de cima dos telhados. Aquilo que se disse no escuro, será revelado na luz. Quem conhece o problema das vidas sucessivas sabe que, após a morte, nós passamos a viver num mundo espiritual. Temos, ali, uma existência que corresponde mais ou menos a uma existência terrena. Muitas vezes, com a mesma extensão e, às vezes, até com maior extensão de que uma existência na Terra. Mas durante esta vida no espaço, nós vamos nos encontrar com uma sociedade diferente, onde não se pode esconder aquilo que se pensa. A linguagem dos espíritos, disseram os espíritos a Kardec, e isso está hoje praticamente comprovado através dos fenômenos de telepatia. A linguagem dos espíritos é o pensamento. Os espíritos não precisam falar como nós falamos, através da voz articulada, para se comunicarem entre si. Eles podem se comunicar pelo pensamento. E nós sabemos que nós mesmos estamos em constante ligação com espíritos através do pensamento.
 
Ora, assim sendo no mundo espiritual aquelas pessoas que aqui costumavam falar mal do próximo e fingir amizade na sua presença, se encontram numa dificuldade muito grande. Porque elas estão viciadas a fazer assim, mas lá não podem fazê-lo. Porque quando querem fingir, o fingimento transparece, o pensamento revela suas intenções ocultas. Então elas não podem usar a tática do fingimento, não estão escondidas atrás de um corpo material. Estão falando, estão se comunicando pelo seu próprio corpo espiritual, que é transparente. E o pensamento à flor da pele – poderíamos dizer assim numa expressão terrena. Este pensamento se revela de maneira evidente, não pode ser escondido. É por isso que Jesus disse sempre que tudo aquilo que fizermos escondido será revelado. Sim, será revelado. Nas pesquisas de Kardec sobre este assunto, publicadas na Revista Espírita, nós vemos espíritos que se queixam profundamente das situações em que se encontram. Não podem fazer nada escondido, tudo quanto querem ocultar está sempre sob os olhos de outros espíritos, de entidades espirituais que enxergam tudo quanto eles fazem, tudo quanto pensam e tudo quanto sentem. É por isto que Jesus então nos dá uma lição através deste pequeno trecho, uma lição de lealdade e de sinceridade. Que nós devemos ser leais, e devemos ser sinceros e francos para evitarmos situações penosas para a nossa iniciação hipócrita após a morte. Após a morte nós, carregando para lá o nosso vício da hipocrisia, vamos nos sentir em situações verdadeiramente desesperadoras, porque estaremos a todo momento revelando aquilo que não queremos revelar.
 
***
 
Chegou a hora do nosso recado, anote amigo ouvinte e responda-nos, sua resposta pode valer o prêmio de um livro. Jesus nos deixou um mandamento decisivo: “amai-vos uns aos outros como eu vos amei”. Você já pensou nisso amigo ouvinte? Você já pensou que, para se dizer cristão você tem de amar até mesmo o seu inimigo? Se você acha que isso é muito difícil, procure o esclarecimento desse assunto no livro O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec. E nos mande dizer por escrito se aceita ou não a explicação do livro.
 
No Limiar do Amanhã, uma hora com a verdade.              
 

Style Selector

Layout Style

Predefined Colors

Background Image