Portuguese English Spanish

A vida só tem sentido quando serve de preparação para vidas melhores.

A moral não é produto do meio social, mas da consciência.

Toda a beleza espiritual do passe espírita provém da fé racional no poder espiritual.

O materialista não é livre, pois está preso à ideia fixa de que tudo é matéria.

A Educação Espírita visa o desenvolvimento pleno do indivíduo, considerando-o um ser imortal e cósmico.

Mediunidade é a faculdade humana, natural, pela qual se estabelecem as relações entre homens e espíritos.

Aproveite e veja também as outras colunas que já estão no ar.

Leitores nossos escreveram diretamente a Francisco Cândido Xavier, solicitando a opinião dos espíritos sobre os temas amor, casamento e divórcio.

O médium esperava receber uma resposta de Emmanuel, mas a mesma foi dada, para sua surpresa, através das quadras abaixo.

Chico Xavier nos escreve: “Com surpresa para nós, as respostas vieram de trovadores desencarnados, cada uma contendo um ponto de vista.”

Ele lembra, porém, que, nas esferas espirituais mais próximas da crosta terrestre, os espíritos conservam seus pontos de vista pessoais em face dos problemas humanos.

AMOR - CASAMENTO - DIVÓRCIO
Espíritos diversos • psicografia de Francisco Cândido Xavier

O amor a tudo resiste:
Treva, espinho, pedra e lama.
O divórcio não existe
No coração de quem ama.

LÍVIO BARRETTO

Felicidade no amor?
Não me perguntes qual é.
Quando fiel a si mesmo
Todo amor merece fé.

CASIMIRO CUNHA

Casamento é um céu a dois
Por entre sombras contrárias.
Laços, que venham depois,
São provações voluntárias.

IRENE DE SOUZA PINTO

Bendita a mão que escreveu
Essa sentença que dou:
“Quem amou nunca esqueceu,
Quem esqueceu nunca amou.”

AUGUSTO COELHO

O amor aos outros, no fundo,
É a luz que encontro por fim,
Com que me livre no mundo
Da sombra que trago em mim.

EUGÊNIO RUBIÃO

Divórcio não tem censura,
Mas se o fazes... Desde agora,
Atrasas conta madura
Pagando juros de mora.

DERALDO NEVILLE

Casamento, muitas vezes,
É um rol de penas sofridas
Em que os cônjuges se pagam
Por débitos de outras vidas.

ULYSSES BEZERRA

O divórcio nunca erra
No par em distância inglória,
Certas dívidas na Terra
Precisam de moratória.

JOSÉ ALBANO

Amor que vive no lar
Nunca lida ou sofre em vão.
Todo amor de sacrificio
É luz de sublimação.

ANTÔNIO DE CASTRO

Caridade lembra um mar,
Imenso, renovador,
Que acolhe sem transbordar
Todas as fontes do amor.

AUTA DE SOUZA

PONTEIO DE TROVADORES
Irmão Saulo
Cada qual com sua trova, a pontear as violas celestes, os trovadores do além respondem às perguntas ansiosas da Terra. A 23 de janeiro de 1972 tivemos a oportunidade de publicar dez trovas definindo os problemas do amor. Agora voltam os poetas, em número idêntico, para atender os pedidos dos homens. Cinco deles realmente voltaram, mas acompanhados de outros cinco que não figuravam na rodada anterior. Os que voltaram são estes: José Albano, Lívio Barretto, Ulysses Bezerra, Auta de Souza e Antônio de Castro.

Por que responderam em trovas? Certamente por tratar-se de temas líricos e porque a trova permite uma resposta sintética. Cada uma dessas trovas coloca o problema do amor, do casamento e do divórcio em termos claros e precisos. E isso em poucas palavras, valorizando a expressão gráfica e oral do pensamento. Um verso resume um discurso e os argumentos se transformam em projéteis, em pequenos dardos ou balas que atingem prontamente o alvo.

Lívio Barretto inicia o ponteio mostrando que o verdadeiro amor não se abala com nada. Deraldo Neville não condena o divórcio, mas lembra que ele prorroga uma dívida “pagando juros de mora”. Ulysses Bezerra adverte que a dívida é mútua, o que exige ponderação. José Albano compreende que o casal já separado não tem outra solução, precisa de moratória. Antônio de Castro louva os que se suportam no lar, sublimando-se. E os outros trovadores acentuam aspectos geralmente descuidados da vida conjugal, enquanto Auta de Souza, a poetisa da caridade, lembra que também no lar essa palavra mágica pode e deve produzir milagres.

O balanço das opiniões nos mostra um saldo positivo e favorável: o amor é a lei que une e conserva unidos os corações; a separação é sempre uma prova de falta de amor; o divórcio é um remédio social, como Kardec o definiu, mas sempre remédio, de que os sãos não precisam. Em meio a essas opiniões, a trova de Irene Pinto é um chamado à responsabilidade. O céu a dois, na Terra, não exclui as sombras contrárias, e os laços que vierem depois do casamento sempre serão “provações voluntárias”.

Style Selector

Layout Style

Predefined Colors

Background Image