Portuguese English Spanish

A vida só tem sentido quando serve de preparação para vidas melhores.

A moral não é produto do meio social, mas da consciência.

Toda a beleza espiritual do passe espírita provém da fé racional no poder espiritual.

O materialista não é livre, pois está preso à ideia fixa de que tudo é matéria.

A Educação Espírita visa o desenvolvimento pleno do indivíduo, considerando-o um ser imortal e cósmico.

Mediunidade é a faculdade humana, natural, pela qual se estabelecem as relações entre homens e espíritos.

Aproveite e veja também as outras colunas que já estão no ar.

ÁRIAS DO AMOR
Espíritos diversos


O amor na essência recorda
Um rio claro e profundo
Que vence a lama e transborda
Em benefício do mundo.

JOSÉ ALBANO

*

Viver para o bem dos outros
Por mais que nos desagrade,
Em qualquer clima e cultura,
É a lei da felicidade.

PEDRO SILVA

*

O amor – a luz sem medida
Dos sóis aos vermes do chão –
É Deus que se entrega à vida
Em forma de coração.

S. LASNEAU

*

O amor atado em dois seres
Sem dar-se às lutas do bem:
Uma festa do egoísmo
Que não ajuda a ninguém.

OSCAR BATISTA

*

Lições de amor para os homens,
De todas só uma sei:
Na bênção da caridade
O amor é a força da lei.

JOSÉ NAVA

*

Amor, que a mim se descobre,
É a companheira querida
Sem a qual o Céu é pobre
E a Terra é um campo sem vida.

LÍVIO BARRETTO

*

Amor dá tudo por nada,
Nem nada pede, a rigor.
Quem tenta a pessoa amada
Tem manhas, não tem amor.

ULYSSES BEZERRA

*

O amor que vi de mais brilho
Foi na beleza mais pura:
Um beijo de mãe num filho
À beira da sepultura.

CELESTE JAGUARIBE

*

Amor!... Rememora a luz
Que do Cristo se descerra...
Um berço, um barco, uma cruz
E o Bem redimindo a Terra...

AUTA DE SOUZA

*

Quem souber o que é o amor,
Da origem aos apogeus,
Terá sabido explicar
A onipresença de Deus.

ANTÔNIO DE CASTRO

CADA QUAL COM SUA TROVA
Irmão Saulo
Chico Xavier escreveu-nos de Uberaba: “Envio-lhe a página psicografada em nossa reunião pública, da noite de 14 de janeiro de 1972, em que dez comunicantes compareceram na mesma hora, cada qual com sua trova”.

Imagine-se a chegada dessa caravana de trovadores invisíveis à mesa do médium para a transmissão de suas trovas. É assim tão grande a importância que se dá, na vida espiritual, à simples quadra? Não seria melhor que cada um desses espíritos (todos deixaram seus nomes nas letras nacionais) aparecesse ali com uma revelação capaz de enriquecer os nossos conhecimentos científicos, filosóficos, religiosos ou mesmo literários?

Que acréscimos trazem essas trovas à cultura do nosso tempo? O que oferecem de novo no campo da poesia trovadoresca, hoje em pleno florescimento em nossa terra? Se analisarmos cada uma dessas quadras não acharemos nada de excepcional nas mensagens individuais e mesmo no seu conjunto. Valeu a pena esse esforço coletivo? Podemos justificar a utilização da via mediúnica para a simples transmissão de trovas que poderiam ser feitas aqui mesmo, na Terra, por tantos trovadores encarnados?

O utilitarismo do século impede muita gente de compreender o sentido profundo desse episódio e de sentir o toque de cada mensagem. Os espíritos, como ensinou Kardec, não têm a missão de poupar-nos o trabalho de pesquisas e descobertas, mas a de ajudar-nos a evoluir moral e espiritualmente. Os dez trovadores que cantaram no coro mediúnico das “árias do amor” não queriam conquistar louros terrenos, mas auxiliar-nos na conquista dos louros celestes.

Cada uma dessas trovas, na sua simplicidade, é um toque de luz dirigido aos corações sensíveis, às almas ansiosas de se elevarem além das ambições e vaidades da Terra. Talvez por isso, quando fazíamos esta apreciação, alguém assoprou-nos na acústica da alma esta quadra terrena:

Há trovadores celestes
Cantando ao nosso redor,
Para nos darem a senha
De ingresso à Vida Maior.

Style Selector

Layout Style

Predefined Colors

Background Image