Portuguese English Spanish

A vida só tem sentido quando serve de preparação para vidas melhores.

A moral não é produto do meio social, mas da consciência.

Toda a beleza espiritual do passe espírita provém da fé racional no poder espiritual.

O materialista não é livre, pois está preso à ideia fixa de que tudo é matéria.

A Educação Espírita visa o desenvolvimento pleno do indivíduo, considerando-o um ser imortal e cósmico.

Mediunidade é a faculdade humana, natural, pela qual se estabelecem as relações entre homens e espíritos.

Aproveite e veja também as outras colunas que já estão no ar.

BREVIDADE DA VIDA
Francisco Cândido Xavier

A página de trovas do nosso amigo espiritual Luciano dos Reis foi recebida no encerramento de nossa reunião pública.

Ante o reinício do tempo, no Ano Novo,* as conversações que nos precederam as tarefas versaram sobre a brevidade da existência humana.

Companheiros diversos se reportavam ao pesar por certas oportunidades perdidas, enquanto outros lançavam indagações sobre a significação do tempo em nossa vida.

No começo dos trabalhos, O livro dos espíritos nos ofereceu a questão 992, dando motivos a justas reflexões.

* Ano de 1973.

TROVA DO TEMPO
Luciano dos Reis

Ensino que a vida insiste
Em compor e recompor:
– O tempo que faz o ódio
É o mesmo que faz o amor.

A criatura sem tempo,
Que não gasta o tempo em vão,
Em tempo algum acha tempo
Para ouvir a tentação.

Há quem não roube dinheiro,
Nem vantagem parecida,
Mas furta o valor do tempo
Necessário à luz da vida.

Filosofia do tempo
Em qualquer tempo e lugar:
– Infeliz do coração
Que não consegue esperar.

O tempo recorda a gleba
Onde a mata se agiganta,
Recebe qualquer semente,
Dá tudo do que se planta.

Bondade, apoio, serviço,
Resgate, atenção, dever...
Nota que o tempo não para,
Não há momento a perder.

Ação é a mente por fora
Que nos põe a vida em tela,
Os outros nos fotografam,
Depois o tempo revela.

Para encontrar a justiça
Reflete no Eterno Bem...
Deus dá tempo igual a todos,
Não menospreza ninguém.


TEMPO DE VIVER
Irmão Saulo

Desde que o homem começou a pensar, a tomar consciência de si mesmo e do mundo, o problema do tempo o preocupou. Muitos equacionaram esse problema, mas ninguém o resolveu. O primeiro aforismo de Hipócrates aparece em latim na forma clássica de Ars longa, vita brevis que Camões repete neste verso: “Para tão curta vida, tão longa arte!”

O simpósio espírita semanal de Uberaba teria também de enfrentar esse problema, mas agora dispondo da solução espírita.

O Eclesiastes afirma que Deus fez tempo para tudo. Em A gênese de Allan Kardec, temos uma definição do tempo que nos mostra a sua relatividade. Esta concepção da relatividade do tempo se acentua na doutrina das vidas sucessivas, das existências palingenésicas que são solidárias entre si. Para cada existência, um determinado tempo – o tempo necessário à execução das tarefas que o espírito traz como sua incumbência inalienável na reencarnação.

Assim, o aforismo Ars longa, vita brevis corresponde apenas a uma visão limitada das coisas. Deus nos concede tempo para tudo, mas não nos exíguos limites de uma encarnação. Camões via a extensão infinita da arte, em que poderia criar sem cessar, mas se angustiava com o tempo exíguo de que dispunha. Não obstante, além dos limites existenciais, ele poderia dispor do ilimitado da vida que se amplia na duração em termos de imortalidade. Assim como o dia é curto para a execução de um trabalho, mas podemos prolongá-lo com o dia seguinte, assim acontece na sucessão das encarnações.

As filosofias da existência nos reclamam atenção para o aqui e o agora, mas o existencialismo espírita, valorizando essas categorias no momento que passa, não se esquece de que já dispusemos do ontem e disporemos do amanhã. No tempo anterior, no ontem, condicionamos o aqui e o agora à execução de determinadas tarefas e Deus nos concede hoje o tempo para isso. Se aproveitarmos bem o tempo concedido, ele não nos parecerá insuficiente. Se o esbanjarmos, condicionaremos o amanhã a novas angústias de tempo.

É assim que podemos entender os versos finais de Luciano dos Reis: "Deus dá tempo igual a todos / não menospreza ninguém." Reclamamos do tempo o que devíamos reclamar de nós mesmos, pois o que nos falta neste momento corresponde exatamente ao que esperdiçamos ainda há pouco. Se aproveitarmos com inteligência e cuidado cada minuto que passa, veremos que Deus nos concedeu tempo para tudo o que temos realmente de fazer nesta vida.

Style Selector

Layout Style

Predefined Colors

Background Image