Portuguese English Spanish

A vida só tem sentido quando serve de preparação para vidas melhores.

A moral não é produto do meio social, mas da consciência.

Toda a beleza espiritual do passe espírita provém da fé racional no poder espiritual.

O materialista não é livre, pois está preso à ideia fixa de que tudo é matéria.

A Educação Espírita visa o desenvolvimento pleno do indivíduo, considerando-o um ser imortal e cósmico.

Mediunidade é a faculdade humana, natural, pela qual se estabelecem as relações entre homens e espíritos.

Aproveite e veja também as outras colunas que já estão no ar.

POESIA-PRECE
Francisco Cândido Xavier

Precedendo-nos a sessão pública, as conversações dos amigos que nos visitavam, em grande número, punham em destaque a beleza de nossos princípios e as nossas dificuldades para trazê-los à luz da prática. Falávamos a respeito dos choques e das depressões que nos tomam o pensamento quando caímos em erros e da necessidade de nos superarmos para continuar lutando pelo autoburilamento.

Iniciadas as tarefas da noite, O livro dos espíritos nos deu a exame a questão 660, referente à prece. E depois dos comentários de uma nossa irmã, a poetisa desencarnada Maria Dolores escreveu a poesia-prece Confidência mais íntima.

CONFIDÊNCIA MAIS ÍNTIMA
Maria Dolores

Senhor!...
Quantos te deram
A vida de uma vez!...

Bendito o santo que se fez
Na virtude integral!...

Louvado seja o apóstolo da fé 
Que viveu e sofreu, padecendo de pé,
Dando-te o coração para vencer o mal!...

Glorificados sejam para sempre
Os mártires e heróis
Que te seguiram sem vacilações
Para o reino do amor onde te pões,
À maneira de sol refulgindo entre os sóis!...

Ampara-me, porém, 
Compassivo Senhor do Eterno Bem,
A mim – pobre de mim – que só te posso dar
Meus frágeis sentimentos como são,
Consagrando-te a vida, gota a gota,
Dentro de minha própria imperfeição!...

Quando me chamas para a caridade
Ante os encargos de que me encarrego,
Perdoa se te entrego
Apenas um vintém
No socorro de alguém.
Quando me sabes de mãos ricas...
Tão logo me assinalas e edificas.

Pedindo-me concurso em favor de um doente,
Desculpa se te dou tão-somente um minuto
De todo o largo tempo que desfruto,
A fim de repousar indefinidamente.

Quando me buscas para ser
A intervenção do amor,
Segundo o meu dever,
Onde o ódio campeia
E a discórdia domina,
Perdoa se te oferto simplesmente,
Em frase pequenina,
Breve conceito superficial,
Que fale de harmonia e conserve tal qual
O problema que aflige a vida alheia.

Fugindo de espalhar a paz a que me elevas
Deixando em fogo e pranto as vítimas das trevas...
Quando me indicas à piedade
Por aqueles que a crítica condena,
Perdoa se te trago,
De sentimento indefinido,
Curto gesto de pena,
Qual se colaborasse,
Na indecisão de minha própria face,
Para que o bem seja esquecido...

Releva-me, Senhor,
A doação escassa
Nos imensos recursos que me deste
Do Tesouro Celeste!...

Do teu rio gigante de ternura
Recebo, dia a dia,
Carinho, bênção, graça,
Providência e alegria
Em manifestações da luz que nunca falha;
Mas de tudo o que dou, cedo apenas migalha...

Leve nota de amor, incrustada de ciúme,
Um pingo de paciência em caudais de azedume,
Uma palavra de esperança
Entre laudas de queixa desatada,
Leve nota de paz
Em tom distante e indiferente,
Eis o que dou somente...

Tantos me amparam tanto e auxilio a tão poucos!...

Senhor!...
Abre-me o coração,
Dá força nova aos meus ouvidos moucos,
Prende-me os braços ao serviço,
Cura-me o pensamento ocioso e enfermiço!...

E, por agora,
Se te dou minha vida, gota a gota,
Nas sombras do egoísmo em que me vejo,
Entre rosas de sonho e espinhos de desejo,
Lavrando contra mim
Exigências fatais
Que somarão mais tarde prova e dor,
Perdoa-me, Senhor,
Se nada fizer mais...

MULTIPLICAÇÃO
Irmão Saulo

Na possibilidade de servir,
Sempre nos tolhe a impossibilidade,
Porque não damos nunca sem pedir
O necessário sem necessidade.

Se tantos nos apóiam sem medir
Nem pesar a farinha da bondade,
Por que não entregar sem exigir
Os nossos pães às mãos da caridade?

Que o Senhor da fartura sem limites
Consiga abrir-nos os ouvidos moucos,
Pondo limite aos nossos apetites.

Se pudermos abrir nossos bornais
À multiplicação dos pães (tão poucos!)
Já estaremos fazendo muito mais!

Style Selector

Layout Style

Predefined Colors

Background Image