Portuguese English Spanish

A vida só tem sentido quando serve de preparação para vidas melhores.

A moral não é produto do meio social, mas da consciência.

Toda a beleza espiritual do passe espírita provém da fé racional no poder espiritual.

O materialista não é livre, pois está preso à ideia fixa de que tudo é matéria.

A Educação Espírita visa o desenvolvimento pleno do indivíduo, considerando-o um ser imortal e cósmico.

Mediunidade é a faculdade humana, natural, pela qual se estabelecem as relações entre homens e espíritos.

Aproveite e veja também as outras colunas que já estão no ar.

REVELAÇÃO SOBRE AS VÍTIMAS DO INCÊNDIO
O PONTO CENTRAL
Francisco Cândido Xavier

Precedendo a nossa reunião publica, os comentários sobre o incêndio havido em São Paulo, no dia primeiro deste mês de fevereiro, foram ainda o ponto central de nossas conversações.

Éramos dezenas de companheiros, na maioria procedente de cidades diversas. Não tínhamos, porém, outro assunto, mesmo porque estavam entre nós alguns familiares dos que foram vítimas da ocorrência dolorosa. Da troca de reflexões sobre o acontecido fomos às tarefas programadas.

Após a oração habitual, O livro dos espíritos nos deu para estudo a questão nº 740, referente às provações coletivas. Após a interpretação do texto, os poetas Cyro Costa e Cornélio Pires se manifestaram pela psicografia, oferecendo-nos os sonetos que envio.

Nota do editor – Publicamos hoje apenas o soneto de Cyro Costa, em virtude da revelação que o conhecido e saudoso poeta paulista faz a respeito das vítimas do incêndio do Edifício Joelma. O soneto de Cornélio Pires será publicado em nossa próxima edição. Cada um desses sonetos requer uma apreciação especial.

LUZ NAS CHAMAS
Cyro Costa

(Homenagem aos companheiros desencarnados no incêndio ocorrido na capital de São Paulo a 1º de fevereiro de 1974, em resgate dos derradeiros resquícios de culpa que ainda traziam na próxima alma, remanescentes de compromissos adquiridos em guerra das Cruzadas.)

Fogo!... Amplia-se a voz no assombro em que se espalha.
Gritos, alterações... O tumulto domina.
No templo do progresso, em garbos de oficina,
O coração se agita, a vida se estraçalha.


Tanto fogo a luzir é mística fornalha
E a presença da dor reflete a lei divina.
Onde a fé se mantém, a prece descortina
O passado remoto em longínqua batalha...


Varrem com fogo e pranto as sombras de outras eras
Combatentes da Cruz em provações austeras,
Conquanto heróis do mundo, honrando os tempos idos.


Na Terra o sofrimento, a angústia, a cinza, a escória...
Mas ouvem-se no Além os hinos de vitória
Das milícias do Céu saudando os redimidos.

RESGATE A LONGO PRAZO
Irmão Saulo

Para as pessoas que ainda não acreditam no princípio da reencarnação, a revelação acima parece absurda, simplesmente imaginária. Mas quem conhece realmente o problema, não terá duvidas a respeito. O poeta Cyro Costa, autor do livro Terra prometida (José Olympio Editora, 1938), foi um dos homens exponenciais de São Paulo nos idos de 1930. Foi ele, já desencarnado, quem encerrou o primeiro Pinga-Fogo de Chico Xavier no Canal 4, a 28 de julho de 1971, com o soneto intitulado Segundo milênio.

Por que razão Cyro Costa teria revelado a causa longínqua da morte das vítimas do incêndio? Certamente para consolar os familiares aflitos que não viam motivo para esse fim. Muitos desses familiares são espíritas ou aceitam os princípios doutrinários, como vemos pela presença de alguns na reunião de Chico Xavier. Além desse motivo caridoso, há o interesse de confirmar o princípio da reencarnação diante de uma ocorrência que sem ele não seria explicável.

Em termos de consolação para os que ficaram, o final do soneto é de suma importância, pois informa que as vítimas da Terra foram recebidas no Além como vitoriosas. A convicção espírita, firmada em fatos reais e nas instituições profundas da alma, recebe com alegria informações espirituais dessa natureza, quando dadas por espíritos plenamente tipificados e de comprovada elevação.

Mesmo entre os espíritas, alguns poderão perguntar por que motivo dívidas tão remotas só agora foram pagas. As Cruzadas se verificaram entre princípios do século XI e final do século XIII. É que a lógica divina é superior à lógica humana. Débitos pesados esmagariam o espírito dividado, sob cobrança imediata. Convém dar tempo ao tempo para que resgates se façam de maneira proveitosa. Os espíritos devem evoluir o suficiente para que suas próprias consciências os levem a aceitar o resgate, e a pedi-lo, reconhecendo a medida como necessária para a continuidade de sua evolução. Entrementes, nas encarnações sucessivas, partes do débito vão sendo pagas, avaliando o devedor. Por isso Cyro Costa alude a “resquícios de culpa”, e não à culpabilidade total.

Também por isso as vítimas foram recebidas de maneira curiosa, pois agora comparecem na espiritualidade como heróis da evolução, espíritos que se propuseram a passar na Terra pelo que infligiram a outros no passado. Não foram submetidos compulsoriamente ao sacrifício, mas entregaram-se a ele de maneira espontânea, no exercício voluntário do seu livre-arbítrio. Essa a sua glória. E o consolo para os que ficaram é evidente. Seus entes queridos não foram vítimas ocasionais de um golpe nefando do destino ou da fatalidade. Nada disso. Sacrificam-se num momento terrível, mas passageiro, para assegurar-se a felicidade no mundo espiritual e reencarnações felizes no futuro.

Sem as provas positivas que o espiritismo oferece aos que o estudam e praticam, é difícil ao homem compreender o problema. Mas há mais de um século a revelação espírita vem beneficiando milhares de criaturas, hoje perfeitamente aptas a compreenderem esse processo.

Style Selector

Layout Style

Predefined Colors

Background Image